Como o Código de Barras pode salvar a sua Vida?

Como o Código de Barras pode salvar a sua Vida?

Os códigos de barras em pulseiras de identificação médica incluem informações que são cruciais para os médicos e enfermeiros tratarem os seus pacientes, sendo toda essa informação digital visível aos profissionais e registada no sistema. Ao usar um sistema de código de barras os profissionais médicos podem reduzir o risco de um paciente receber medicações ou procedimentos errados, que podem ser fatais. As etiquetas de código de barras estão presentes em todos os processos e nos mais diversos materiais hospitalares, desde medicamentos, frascos de comprimidos, rótulos de análise, materiais cirúrgicos até bolsas de fluidos intravenosos. O objetivo desses códigos de barras é garantir que o paciente receba a medicação correta [fonte: Reinberg].

Um estudo europeu realizado em 2018 revela que o uso de código de barras reduz em 42% erros na administração de medicamentos a pacientes, tanto a nível de tipo de medicamento como de dosagem.

Futura Diretiva Europeia 2011/62/UE para combater a falsificação de medicamentos

Para além dos códigos de barras usados ​​nos hospitais, na indústria farmacêutica o uso destes é essencial para garantir a autenticidade dos medicamentos e combater a contrafação dos mesmos, evitando que os medicamentos falsos cheguem ao mercado.

Mais de 400.000 farmácias na Europa serão afetadas pela Diretiva Europeia 2011/62/UE, validada pelo Parlamento Europeu em 2016 e em vigor a partir de fevereiro de 2019. O objetivo desta medida é impedir a introdução de medicamentos ilegais na cadeia de abastecimento. Isso significa que, os intervenientes da indústria farmacêutica devem consolidar as suas práticas de rastreabilidade de medicamentos para combater o aumento da falsificação dos mesmos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, em todo o mundo, cerca de 700.000 mortes por ano são causadas pela venda de medicamentos falsificados e estima que os mesmos representem 10% das vendas no mercado legal [fonte: Kremen]. Nenhum país está imune a este dilema, com os traficantes atacando principalmente os medicamentos contra o cancro, que podem custar um tratamento anual de mais de 50 mil dólares. Para contrariar esta tendência, a indústria farmacêutica já estabeleceu vários procedimentos defensivos que serão reforçados com a Directiva do Parlamento.

Mas a cadeia de distribuição para a indústria farmacêutica está pronta para aplicar este novo regulamento?

Um dos resultados da nova Diretiva é a introdução de um número de série único a ser aplicado na embalagem de todos os medicamentos. Conhecido como serialização, este processo de rotulagem estabeleceu uma corrida contra o tempo para todas as filiais da indústria farmacêutica global, incluindo laboratórios, fabricantes e farmácias que devem integrá-lo para ajudar a garantir o controlo meticuloso de todos os medicamentos, desde a sua fabricação até à venda em farmácias.

Como o Código de Barras pode salvar a sua Vida?
Adaptar as linhas de produção e instalar equipamentos de codificação apropriados é uma tarefa complexa. Requer habilidades técnicas e equipamentos de primeira linha que podem oferecer impressão de alta qualidade. Da mesma forma, a serialização introduz investimentos de produção substanciais para a maioria das empresas do setor farmacêutico. As farmácias da Europa também terão que se adaptar adquirindo scanners de código de barras 2D, que são essenciais para verificar a conformidade de qualquer medicamento vendido. O resultado é uma grande transformação em toda a cadeia de distribuição, onde a rastreabilidade do novo número único é fundamental.
Como o Código de Barras pode salvar a sua Vida?

Um recall de produto é a solicitação de devolução de um lote ou de uma linha inteira de produtos feita pelo próprio fabricante. Já existiram várias situações em que um medicamento, alimento, brinquedo ou outro produto seria potencialmente perigoso para o consumidor e por isso o recall foi necessário. Por exemplo, em dezembro de 2010, a Whole Foods Market emitiu um recall de um produto de sobremesa congelado sem leite porque o mesmo poderia conter leite. Neste caso, o produto seria extremamente perigoso e até mortal para alguém com alergia ou intolerância ao leite. Graças aos códigos de barras associados, a Whole Foods foi capaz de identificar rapidamente 25 paletes suspeitas de conter os produtos, determinar onde estas paletes estariam e informar as suas lojas e clientes sobre como identificar o produto e retirá-lo [Fonte: Whole Foods].

A Altronix esteve no canal de televisão da grelha da NOS, canal Saúde+ a falar sobre as suas soluções direcionadas para o segmento da Saúde:

Como podemos ver, os códigos de barras facilitam o acesso a informações essenciais que garantem a segurança dos pacientes ou mesmo daqueles que adquirem medicamentos em farmácias. Com todas estas novas práticas e novos procedimentos podemos concluir que, a escolha consciente da rotulagem a ser aplicada e as técnicas e equipamentos a utilizar são também uma forma de preocupação com a saúde de todos.

Artigo publicado por:
António Duarte - Altronix
António Duarte
Diretor Comercial da Altronix